Domingo, 10 de Fevereiro de 2008

O ALENTEJO

Volto este sábado, depois de alguns dias de ausência, para vos deixar uma reflexão sobre o meu Alentejo, de autor desconhecido e que me chegou, por um amigo.
Faço votos para que soltem as gargalhadas que eu soltei ao ler o texto que se segue.
Quero-os, a todos, bem dispostos!





O ALENTEJO

Palavra mágica que começa no Além e termina no Tejo, o rio da portugalidade.
O rio que divide e une Portugal e que à semelhança do Homem Português, fugiu
de Espanha à procura do mar.

O Alentejo molda o carácter de um homem. A solidão e a quietude da planície
dão-lhe a espiritualidade, a tranquilidade e a paciência do monge; as
amplitudes térmicas e a agressividade da charneca dão-lhe a resistência
física, a rusticidade, a coragem e o temperamento do guerreiro. Não é
alentejano quem quer. Ser alentejano não é um dote, é um dom. Não se nasce
alentejano, é-se alentejano.

Portugal nasceu no Norte mas foi no Alentejo que se fez Homem. Guimarães é o
berço da Nacionalidade, Évora é o berço do Império Português. Não foi por
acaso que D. João II se teve de refugiar em Évora para descobrir a Índia. No
meio das montanhas e das serras um homem tem as vistas curtas; só no coração
do Alentejo, um homem consegue ver ao longe.

Mas foi preciso Bartolomeu Dias regressar ao reino depois de dobrar o Cabo
das Tormentas, sem conseguir chegar à Índia para D. João II perceber que só
o costado de um alentejano conseguia suportar com o peso de um
empreendimento daquele vulto. Aquilo que para o homem comum fica muito
longe, para um alentejano fica já ali. Para um alentejano não há longe, nem
distância porque só um alentejano percebe intuitivamente que a vida não é
uma corrida de velocidade, mas uma corrida de resistência onde a tartaruga
leva sempre a melhor sobre a lebre.

Foi, por esta razão, que D. Manuel decidiu entregar a chefia da armada
decisiva a Vasco da Gama. Mais de dois anos no mar... E, quando regressou,
ao perguntar-lhe se a Índia era longe, Vasco da Gama respondeu: «Não, é já
ali.». O fim do mundo, afinal, ficava ao virar da esquina.

Para um alentejano, o caminho faz-se caminhando e só é longe o sítio onde
não se chega sem parar de andar. E Vasco da Gama limitou-se a continuar a
andar onde Bartolomeu Dias tinha parado. O problema de Portugal é
precisamente este: muitos Bartolomeu Dias e poucos Vasco da Gama. Demasiada
gente que não consegue terminar o que começa, que desiste quando a glória
está perto e o mais difícil já foi feito. Ou seja, muitos portugueses e
poucos alentejanos.

D. Nuno Álvares Pereira, aliás, já tinha percebido isso. Caso contrário, não
teria partido tão confiante para Aljubarrota. D. Nuno sabia bem que uma
batalha não se decide pela quantidade mas pela qualidade dos combatentes. É
certo que o Rei de Castela contava com um poderoso exército composto por
espanhóis e portugueses, mas o Mestre de Avis tinha a vantagem de contar com
meia-dúzia de alentejanos. Não se estranha, assim, a resposta de D. Nuno aos
seus irmãos, quando o tentaram convencer a mudar de campo com o argumento da
desproporção numérica: «Vocês são muitos? O que é que isso interessa se os
alentejanos estão do nosso lado?»

Mas os alentejanos não servem só as grandes causas, nem servem só para as
grandes guerras. Não há como um alentejano para desfrutar plenamente dos
mais simples prazeres da vida. Por isso, se diz que Deus fez a mulher para
ser a companheira do homem. Mas, depois, teve de fazer os alentejanos para
que as mulheres também tivessem algum prazer. Na cama e na mesa, um
alentejano nunca tem pressa. Daí a resposta de Eva a Adão quando este,
intrigado, lhe perguntou o que é que o alentejano tinha que ele não tinha:
«Tem tempo e tu tens pressa.» Quem anda sempre a correr, não chega a lado
nenhum. E muito menos ao coração de uma mulher. Andar a correr é um problema
que os alentejanos, graças a Deus, não têm. Até porque os alentejanos e o
Alentejo foram feitos ao sétimo dia, precisamente o dia que Deus tirou para
descansar.

E até nas anedotas, os alentejanos revelam a sua superioridade humana e
intelectual. Os brancos contam anedotas dos pretos, os brasileiros dos
portugueses, os franceses dos argelinos... só os alentejanos contam e
inventam anedotas sobre si próprios. E divertem-se imenso, ao mesmo tempo
que servem de espelho a quem as ouve.

Mas para que uma pessoa se ria de si própria não basta ser ridícula porque
ridículos todos somos. É necessário ter sentido de humor. Só que isso é um
extra só disponível nos seres humanos topo de gama.

Não se confunda, no entanto, sentido de humor com alarvice. O sentido de
humor é um dom da inteligência; a alarvice é o tique da gente bronca e
mesquinha. Enquanto o alarve se diverte com as desgraças alheias, quem tem
sentido de humor ri-se de si próprio. Não há maior honra do que ser objecto
de uma boa gargalhada. O sentido de humor humaniza as pessoas, enquanto a
alarvice diminui-as. Se Hitler e Estaline se rissem de si próprios, nunca
teriam sido as bestas que foram.

E as anedotas alentejanas são autênticas pérolas de humor: curtas,
incisivas, inteligentes e desconcertantes, revelando um sentido de
observação, um sentido crítico e um poder de síntese notáveis.

Não resisto a contar a minha anedota preferida. Num dia em que chovia muito,
o revisor do comboio entrou numa carruagem onde só havia um passageiro. Por
sinal, um alentejano que estava todo molhado, em virtude de estar sentado
num lugar junto a uma janela aberta. «Ó amigo, por que é que não fecha a
janela?», perguntou-lhe o revisor.

«Isso queria eu, mas a janela está estragada.», respondeu o alentejano.
«Então por que é que não troca de lugar?» «Eu trocar, trocava... mas com
quem?»

Como bom alentejano que me prezo de ser, deixei o melhor para o fim. O
Alentejo, como todos sabemos, é o único sítio do mundo onde não é castigo
uma pessoa ficar a pão e água. Água é aquilo por que qualquer alentejano
anseia. E o pão... Mas há melhor iguaria do que o pão alentejano? O pão
alentejano come-se com tudo e com nada. É aperitivo, refeição e sobremesa. E
é o único pão do mundo que não tem pressa de ser comido. É tão bom no
primeiro dia como no dia seguinte ou no fim da semana. Só quem come o pão
alentejano está habilitado para entender o mistério da fé. Comê-lo faz-nos
subir ao Céu!

É por tudo isto que, sempre que passeio pela charneca numa noite quente de
verão ou sinto no rosto o frio cortante das manhãs de Inverno, dou graças a
Deus por ser alentejano. Que maior bênção poderia um homem almejar?

publicado por felismundo às 08:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De emiele a 10 de Fevereiro de 2008 às 12:34
Um post grande, mas interessante e engraçado.
Está muito visto esse aspecto de mesmo no Alentejo se contarem anedotas de alentejanos. Aliás uma vez ouvi ou na tv ou na rádio, um desses programas onde os ouvintes podem intervir, e uma senhora ouvinte, a respeito das piadinhas sobre determinados grupos, desabafou que nem se ralava com isso porque era Mulher, era Loira, e era Alentejana! a gargalhada que todo o estúdio deu foi monumental!

Mas para além dessas características, a senhora tinha sobretudo um magnífico espírito de humor!!!


De emiele a 10 de Fevereiro de 2008 às 12:38
Ups! Enganei-me e saltei uma palavra. Queria dizer, evidentemente - está muito bem visto, e não apenas está muito visto.


De felismundo a 10 de Fevereiro de 2008 às 19:42
É sempre um gosto a tua visita, Emiéle.
Se bem que, com algum marialvismo à mistura o facto é que até nesses aspecto toca alguma verdade.
Foi um amigo que mo enviou e perante tal testemunho, era impossível não o dar à estampa.


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. AOS DOMINGOS POESIA

. ...

. POESIA POPULAR ALENTEJANA

. LEMBRANDO A INFÂNCIA

. BENFICA 2 - PORTO 2

. ...

. A poesia de Fernando Pess...

. TENTEMOS UM RECOMEÇO, PEL...

. É BOM OUVIRMOS OS "MAIS V...

. MUDANÇAS

.arquivos

. Outubro 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.últ. comentários

Meu caro Armando Facadinhas, só hoje dei pelo teu ...
Meu caro Armando, é com todo o gosto que te vejo p...
boa tarde é armando facadinhas câmara municipal d...
Salvé o retorno à blogosfera. As nossas ausências ...
Tens toda a razão, o esquecimento é uma coisa cont...
Boa recordação.É uma pena estes nomes irem caindo ...
Parecendo que não, duplicou o drama!!!
Oportuno, realmente.Ainda era o marido a trabalhar...
Olá.Um belo poema de António Ramos Rosa.A 1ª vez q...
Na verdade o abandono dos blogs também me tocam......

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds