Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Os Ombros Suportam o Mundo


chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.

tempo em que não se diz mais: meu amor.

porque o amor resultou inútil.
e os olhos não choram.
e as mãos tecem apenas o rude trabalho.
e o coração está seco.

em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
és todo certeza, já não sabes sofrer.
e nada esperas de teus amigos.

pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
as guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
alguns, achando bárbaro o espectáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
chegou um tempo em que não adianta morrer.
chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
a vida apenas, sem mistificação.


Carlos Drummond de Andrade


in "Sentimento do Mundo"

tags:

publicado por felismundo às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 29 de Abril de 2008

GENTE FELIZ COM LÁGRIMAS






Passam hoje 20 anos da primeira edição, deste romance, da autoria de João de Melo, escritor açoriano que, conquistou com este livro o Grande Prémio de Romance e Novela da APE/IPLB - 1988. Nesse mesmo ano, a referida obra, foi galardoada com o Prémio RDP/Antena1 de Literatura (Ex-aequo), o Prémio Municipal Eça de Queiroz da Câmara Municipal de Lisboa, na categoria de Prosa de Ficção e o Prémio Cristóvão Colombo, da União das Cidades Capitais Ibero-Americanas, Lima, Peru. No ano de 1989, recebe o Prémio Literário Fernando Namora, Estoril. Conta também com traduções em: Francês; Neerlandês; Búlgaro; Castelhano e Romeno. Em 2002, outro açoriano, José Medeiros, vê, finalmente, nos ecrãs da TV, a sua obra que foi a realização desta obra, baseada na obra homónima. Aproveito para informar que a RTP/Memória vai retransmitir no próximo sábado, dia 3 de Maio, às 04h45m.


publicado por felismundo às 18:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 26 de Abril de 2008

COMO SE VIAM AS COISAS DO OUTRO LADO DO ATÂNTICO!

Depois do que por cá sucedeu, há trinta e quatro anos, do Brasil, chegava-nos a voz do Chico.

Vamos recordar!



publicado por felismundo às 16:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 25 de Abril de 2008

EVOCAÇÃO DE ABRIL

Hoje, 25 de Abril, dia do trigéssimo quarto aniversário da revolução que nos tirou de quarenta e oito anos de ditadura, que nos livrou de uma guerra sem fim, que nos restituíu a dignidade que nos faltava, enquanto povo, decidi que ia ser diferente.
Por isso, ao conhecer o texto de Daniel de Sá, escritor português, dos muitos que estas Ilhas dos Açores deram, ao nosso todo colectivo, não hesitei e disse: "É este o texto que me faltava!"

Deixo-o, aqui para que possam gostar dele, tanto ou mais do que eu!

VIVA O 25 DE ABRIL!


TREZENTAS E QUARENTA PALAVRAS

(Em memória do Capitão Salgueiro Maia e do cantor José Afonso)

Conheces o gosto da anona? E o cheiro do incenso em flor nas noites húmidas? Talvez.

Mas com certeza não serás capaz de os explicar. Nem eu nem ninguém.

Existem coisas assim: os sabores, os cheiros, as cores, os sentimentos... Há muitos milha­res de palavras, mas nenhumas são suficientes para dizer aquilo que só quando se sente se sabe como é.

Eu gostaria de inventar as palavras que faltam à nossa Língua, a todas as línguas do Mundo, para falar de Abril. Em Portugal. Num dia com cravos a florir nas espingardas, porque ninguém queria usá-Ias para matar.

Estavam cansados da guerra, uma guerra má como todas as guerras. Em Angola e em Moçambique e na Guiné. Era o medo em Portugal. Havia verdades que era proibido dizer. Havia muita gente que mal tinha que comer. Havia muita gente sem casa onde morar.

Foi na madrugada de 25 de Abril de 1974. Os homens que mandavam neste país, e que não queriam que ele mudasse, talvez dormissem àquela hora sem sonhar com o que ia aconte­cer. No rádio, uma canção começou: "Grândola, Vila Morena". (Uma revolta que começa com uma canção, sobretudo uma canção como aquela, tem de ser uma revolta boa). Era o sinal combinado. Os militares saíram dos quartéis para dizer ao governo que não o suportavam mais, mas ainda não se sabia quantos portugueses estavam no mesmo lado. Logo se perce­beu que eram quase todos, afinal.

E a revolução tornou-se numa festa tão bonita que esse dia foi um dos mais belos da História de Portugal. Foi uma alegria tão grande que se chegou a pensar ter valido a pena tanto tempo de sofrimento e medo para que ela acontecesse...

Mas não! A água mais apetecida é a que se bebe depois de uma longa e penosa sede, e ninguém se deixa estar dois ou três dias sem beber só para ter um gosto enorme ao beber...

Se eu pudesse inventar as palavras que faltam à nossa Língua para dizer isto melhor, nunca mais haveria alguém capaz de duvidar de como foi lindo aquele dia, nunca mais nin­guém haveria de permitir que alguma coisa, neste país, se parecesse com as coisas ruins de antes. E muito depressa se mudaria o que ainda não houve tempo de mudar.

Daniel de Sá

publicado por felismundo às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

25 de ABRIL!

Do nosso amigo "Troll Urbano", retirei esta homenagem ao dia da LIBERDADE.
Um agradecimento especial à Isabel que mo fez recordar, assim, de uma forma tão convincente.


publicado por felismundo às 18:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

SURPLUS

Um video para ser visto por quem tenha mais de 2% de consciência critica.






Atenção: - 1/5 da população mundial consome 4/5 dos recursos do planeta e produz 86% de todo o desperdício.
O Realizador, explora o assunto atravéz de muita música, neste documentário em jeito de videoclipe.



SURPLUS - Suécia 2003
Direcção - Erik Gandini
Música Original - GOTAN PROJECT, David Osterberg, Joan Soderberg
Documentário - 50m

Nota:
Agradeço, ao "Carne Crua" a possibilidade de ver e mostrar esta preciosidade.

publicado por felismundo às 22:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 16 de Abril de 2008

60+ - Nunca é tarde para descobrir os Açores!




Este é o lema de uma campanha, em boa hora levada a efeito, pelo Governo Regional,  Inatel e Sata.
Para se efectuarem estas viagens é necessário que, um pequeno grupo de trabalhadores, leve a cabo, convenientemente as tarefas que lhes forem confiadas. Trata-se de entrosar, de assistir, de contactar, uma parcela de população, para que, depois de uma vida de trabalho, possa viajar e disfrutar, por uma semana ,das belezas destas Ilhas, em grupos eterogéneos e que, devidamente enquadrados e acompanhados, se vão, durante uma semana, sentir gente. Isto porque, reconhecidas as suas carências, lhes foi proporcionado um tempo e um estar, igual ou semelhante aos que a vida, não engeitou.
Acontece que têm que ser contratadas, pessoas externas que, trabalhando a "recibo verde", vão colmatar as deficiências e as carências.
Essas pessoas, necessitam de ser pagas e então o INATEL, entidade com responsabilidade nas viagens e alojamentos, é quem contrata os trabalhadores que assistem e enquadram os viajantes, quer nos inícios das viagens como, nas suas passagens pelos aeroportos, em trânsito, para o seu destino.
Não está em causa a tabela de pagamentos, que apesar de nada relevante, é ao menos do conhecimento antecipado, de quem acede a trabalhar. O problema, está, na imensidão de impressos que, quem trabalha, tem de fazer, para conseguir receber os míseros Euros que nos são devidos e aguardar que, em LISBOA, se decida pela sua correcta execução e ordene que se pague.
Num estadio em que as novas tecnologias, aparecem e simplificam os procedimentos, o papel continua a ser o garante da execução de pagamentos de somenos importâncias.
Por cada viagem tem, o "transferista", que fazer três mapas, em que um é a repetição do outro. Se, ao menos, houvesse papel químico, só se escrevia uma vez, mas não, têm que ser elaborados, um por um, enviados para Lisboa depois de serem vistoriados pelas Delegações Regionais e, esperar que a Capital do Império, dê a ordem, para ser pago.
Se, quem trabalha e se entrega de alma e coração para o êxito de uma ideia que sente  e constacta que é certa e correcta, tivesse a oportunidade de questionar as condições de trabalho que lhes facultam e as retribuições que dizem ser justas, certamente que, este programa, não tinha ainda começado.
Sob pena de reverter negativamente para o Governo Regional, esta dependência, incongruente, de Lisboa, bom seria que  os métodos, fossem aligeirados, ou "SIMPLEXIZADOS" .
tags:

publicado por felismundo às 17:44
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 12 de Abril de 2008

POESIA POPULAR

OS NÚMEROS

O dez tocava viola
O vinte tocava pratos
O trinta jogava à bola
O quarenta caçava ratos

                 I

O um era hortelão
O dois era caçador
O três era prior
O quatro era pimpão
O cinco era campeão
O seis ninguém enrola
O sete pedia esmola
O oito era camponês
O nove era maltês
O dez tocava viola

                II

O onze vendia vinho
O doze era sargento
O treze era azarento
O catorze anda sozinho
O quinze era espretinho
O dezasseis era ingrato
O dezassete fala-barato
O dezoito era campónio
O dezanove toca harmónio
O vinte tocava pratos

                III

O vinte e um era albardeiro
O vinte e dois cantava o fado
O vinte e três guardava gado
O vinte e quatro era aguadeiro
O vinte e cinco era engenheiro
O vinte e seis era estarola
O vinte e sete carrega a mola
O vinte e oito era alpinista
O vinte e nove era ciclista
O trinta jogava à bola

                IV

O trinta e um era soldado
O trinta e dois cantoneiro
O trinta e três era ceifeiro
O trinta e quatro era chalado
O trinta e cinco era tarado
O trinta e seis apanhava gatos
O trinta e sete vende sapatos
O trinta e oito comia os feles
O trinta e nove vendia peles
O quarenta caçava ratos


Manuel Luis Ribeiro de Pavia

publicado por felismundo às 18:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

CESTAS DE MÚSICA

Uma música! Muitas recordações!

publicado por felismundo às 16:35
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

VALOR CONTEXTO E ARTE

Recebi, hoje, de um amigo e quero partilhar com quem me visita. Por isso sem acrescentar, mais nada, aqui vos deixo o texto e o vídeo que o originou.



De facto!

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.
Um sujeito entra na estação do metro, vestindo jeans, camiseta e boné, encosta-se próximo à entrada, tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali, na hora de ponta matinal.
Durante os 45 minutos em que tocou, foi praticamente ignorado pelos passantes.
Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas, num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.
Alguns dias antes Bell tinha tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custam a bagatela de 1000 dólares. A experiência, gravada em vídeo, mostra homens e mulheres de andar ligeiro,copo de café na mão, telemovel no ouvido, crachá balançando no pescoço,indiferentes ao som do violino.
A iniciativa realizada pelo jornal The Washington Post era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.
A conclusão: estamos acostumados a dar valor às coisas quando estão num contexto. Bell era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de marca.
tags:

publicado por felismundo às 21:38
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. AOS DOMINGOS POESIA

. ...

. POESIA POPULAR ALENTEJANA

. LEMBRANDO A INFÂNCIA

. BENFICA 2 - PORTO 2

. ...

. A poesia de Fernando Pess...

. TENTEMOS UM RECOMEÇO, PEL...

. É BOM OUVIRMOS OS "MAIS V...

. MUDANÇAS

.arquivos

. Outubro 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.últ. comentários

Meu caro Armando Facadinhas, só hoje dei pelo teu ...
Meu caro Armando, é com todo o gosto que te vejo p...
boa tarde é armando facadinhas câmara municipal d...
Salvé o retorno à blogosfera. As nossas ausências ...
Tens toda a razão, o esquecimento é uma coisa cont...
Boa recordação.É uma pena estes nomes irem caindo ...
Parecendo que não, duplicou o drama!!!
Oportuno, realmente.Ainda era o marido a trabalhar...
Olá.Um belo poema de António Ramos Rosa.A 1ª vez q...
Na verdade o abandono dos blogs também me tocam......

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds