Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

23 DE FEVEREIRO

Sei que estou a escrever no limbo deste dia. De qualquer forma, aqu nos Açores é menos uma hora que no continente, razão porque ainda estou a tempo de dizer o porquê de aqui estar.

Foi à 23 anos, tinha sabido da morte do Zeca e preparávamos a ida para Setubal, onde iria decorrer o funeral, a 24. O que essas horas representaram, ainda hoje não consigo verbalizar, razão porque vou aqui deixar o relato da notícia.

 

 

José Afonso morreu no dia 23 de Fevereiro de 1987, no Hospital de Setúbal, às 3 horas da madrugada, vítima de esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada em 1982. O funeral realizou-se no dia seguinte, com mais de 30 mil pessoas, da Escola Secundária de S. Julião para o cemitério da Senhora da Piedade, em Setúbal, onde a urna foi depositada às 17h30 na sepultura 1606 do quadro 19. O funeral demorou duas horas a percorrer 1300 metros. Envolvida por um pano vermelho sem qualquer símbolo, como pedira, a urna foi transportada, entre outros, por Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Mário Branco, Luís Cília, Francisco Fanhais.

 

 

Deixo agora algumas reflexões que o Zeca nos legou, importantes neste momento da vida portuguesa


   Azeitão 1979-1987
"Curioso é que nós passamos 40 ou 50 anos de uma vida a fazer determinadas coisas e um dia mais ou menos de repente, sem que renunciemos a nada do que fizemos, apercebemo-nos de que tudo deveria ter sido diferente. 
É apenas uma vaga sensação que se instala, sem que saibamos defini-la muito bem. 
No fundo sou muito mais contraditório e supersticioso do que quis admitir ao longo dos anos."
"Eu sempre disse que a música é comprometida quando o músico, como cidadão é um homem comprometido. Não é o produto saído desse cantor que define o compromisso mas o conjunto de circunstâncias que o envolve com o momento histórico e político que se vive e as pessoas com quem ele priva e com quem ele canta.
"Não me arrependo de nada do que fiz. Mais: eu sou aquilo que fiz. Embora com reservas acreditava o suficiente no que estava a fazer, e isso é o que fica. Quando as pessoas param há como que um pacto implícito com o inimigo, tanto no campo político como no campo estético e cultural. E, por vezes, o inimigo somos nós próprios, a nossa própria consciência e os alibis de que nos servimos para justificar a modorra e o abandono dos campos de luta."
" Admito que a revolução seja uma utopia, mas no meu dia a dia procuro comportar-me como se ela fosse tangível. Continuo a pensar que devemos lutar onde exista opressão, seja a que nível for."


publicado por felismundo às 00:14
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Emiéle a 24 de Fevereiro de 2010 às 20:52
Que estranho, estava convencida de que tinha comentado este teu post, tão apropósito.
É alguém de facto insubstituível. Há magníficas vozes, mas ele... era ele!


De felismundo a 26 de Fevereiro de 2010 às 16:44
Tinhas comentado sim o post anterior e nesse comentário fazias menção dessa efeméride.
Quanto ao que aqui escrevi e copiei, achei que era o mais apropriado, principalmente as mensagens que nos deixou e que tão a propósito é, recordá-las.


De Anónimo a 25 de Fevereiro de 2010 às 22:00
sei que o dia já passou. mas permanece vivo em cada um de nós que admirava o Homem e a Música. a sua principalmente.
do zeca o que dizer, o que contar de novo que já ninguém tenha dito, ou que ninguém saiba?
vi os últimos concertos do zeca. já muito debilitado quer no "coliseu dos recreios" em Lisboa, quer na "voz do operário".
a maior parte dos concertos já não se tinha de pé, e sustinha-se amparado pelos amigos, os companheiros de luta, de exílio e de canções.
eram os do tempo das canções de combate.
nunca esqueci a última balada, saída da sua voz trémula mas clara.
"rios que vão dar ao mar...
deixem meus olhos chorar...
águas da fonte calai, oh! ribeiras chorai...
que eu não volto a cantar"
quando passado pouco tempo anunciaram a sua morte, há muita esperada, aquela balada, minha preferida entre muitas, veio-me de imediato a memória.
era como se ele soubesse, já. e eu acho que sim. que ele sabia...
não pude acompanhar o funeral, pois na altura tinha um bebé muito pequeno, que não podia deixar. Mas o meu pensamento estava lá
eu acredito que enquanto nos lembramos das pessoas elas não morrem, porque permanecem vivas nos nos nossos corações e na sua obra imortal.
não me restam mais palavras.
um abraço
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

sei que o dia já passou. mas permanece vivo em cada um de nós que admirava o Homem e a Música. a sua principalmente. <BR>do zeca o que dizer, o que contar de novo que já ninguém tenha dito, ou que ninguém saiba? <BR>vi os últimos concertos do zeca. já muito debilitado quer no "coliseu dos recreios" em Lisboa, quer na "voz do operário". <BR>a maior parte dos concertos já não se tinha de pé, e sustinha-se amparado pelos amigos, os companheiros de luta, de exílio e de canções. <BR>eram os do tempo das canções de combate. <BR>nunca esqueci a última balada, saída da sua voz trémula mas clara. <BR>"rios que vão dar ao mar... <BR>deixem meus olhos chorar... <BR>águas da fonte calai, oh! ribeiras chorai... <BR>que eu não volto a cantar" <BR>quando passado pouco tempo anunciaram a sua morte, há muita esperada, aquela balada, minha preferida entre muitas, veio-me de imediato a memória. <BR>era como se ele soubesse, já. e eu acho que sim. que ele sabia... <BR>não pude acompanhar o funeral, pois na altura tinha um bebé muito pequeno, que não podia deixar. Mas o meu pensamento estava lá <BR>eu acredito que enquanto nos lembramos das pessoas elas não morrem, porque permanecem vivas nos nos nossos corações e na sua obra imortal. <BR>não me restam mais palavras. <BR>um abraço <BR class=incorrect name="incorrect" <a>silvya</A> <BR><BR><BR><BR><BR>eu tinha vinte e poucos anos, quando ele morreu. <BR>


De felismundo a 26 de Fevereiro de 2010 às 16:52
Silvya, gostei tanto do teu comentário! Foi tão sentido, que nem sei o que te dizer.
As palavras que citas, daquela canção, são algo que me deixam com uma imensa comoção.
Para além do conhecer, tive o privilégio de com ele contactar e de o ter em casa, pois era um "VERDADEIRO AMIGO". Tinha sim, ele tinha a perfeita noção da sua doença e do tempo que lhe restava, apesar da esperança e de veia criativa que nunca desapareceu, de tal forma que ainda hoje há textos e poemas, que não foram devidamente trazidos ao conhecimento. Quanto ao não conseguires entrar com o teu nome, creio que, mesmo que não te tornes uma bloger, tens que criar uma conta e aí sim o nome já entra. Vou informar-me melhor e depois te digo.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. AOS DOMINGOS POESIA

. ...

. POESIA POPULAR ALENTEJANA

. LEMBRANDO A INFÂNCIA

. BENFICA 2 - PORTO 2

. ...

. A poesia de Fernando Pess...

. TENTEMOS UM RECOMEÇO, PEL...

. É BOM OUVIRMOS OS "MAIS V...

. MUDANÇAS

.arquivos

. Outubro 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Meu caro Armando Facadinhas, só hoje dei pelo teu ...
Meu caro Armando, é com todo o gosto que te vejo p...
boa tarde é armando facadinhas câmara municipal d...
Salvé o retorno à blogosfera. As nossas ausências ...
Tens toda a razão, o esquecimento é uma coisa cont...
Boa recordação.É uma pena estes nomes irem caindo ...
Parecendo que não, duplicou o drama!!!
Oportuno, realmente.Ainda era o marido a trabalhar...
Olá.Um belo poema de António Ramos Rosa.A 1ª vez q...
Na verdade o abandono dos blogs também me tocam......

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds