Terça-feira, 28 de Junho de 2011

HOJE, DEU-ME PARA ISTO!!!

 

 

ALENTEJO

 


Folheia-se o caderno e eis o sul


E o sul é a palavra. E a palavra 


Desdobra-se 


No espaço com suas letras de 


Solstício e de solfejo


Além de ti


Além do Tejo


Verás o rio e talvez o azul 


Não o de Mallarmé: soma de branco e de vazio


Mas aquela grande linha onde o abstracto 


Começa lentamente a ser o 


Sul

 

Outro é o tempo


Outra a medida 



 

Tão grande a página


Tão curta a escrita

 



Entre o achigã e a perdiz


Entre chaparro e choupo

 



Tanto país


E tão pouco

 

Solidão é companheira 


E de senhor são seus modos 


Rei do céu de todos


E de chão nenhum

 



À sombra de uma azinheira


Há sempre sombra para mais um


Na brancura da cal o traço azul


Alentejo é a última utopia



Todas as aves partem para o sul


Todas as aves: como a poesia

 

Manuel Alegre (Alentejo e ninguém)


publicado por felismundo às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 5 de Março de 2010

DE NOVO O PRÉMIO LEYA

Porque o merece, transcrevo as palavras proferidas por MANUEL ALEGRE, quando da entrega do Prémio LEYA - 2009 a João Paulo Borges Coelho.

 

http://dubleudansmesnuages.com/wp-content/uploads/2008/03/manuel_alegre640.jpg

 

 

Transcrito de: www.manuelalegre.com

 

 

Manuel Alegre na entrega do Prémio Leya em Maputo:

“A língua e a cultura é que fazem a alma de uma nação”

04-03-2010

O Presidente Samora Machel, pouco antes da sua visita a Portugal, disse a um jornalista português: "Camões não é só vosso, Camões também é nosso". Esta frase, que profundamente sensibilizou o povo português, não foi só uma homenagem ao poeta que na Ilha de Moçambique acabou de escrever o poema que é, de certo modo, um acto de fundação poética de Portugal. O que o Presidente Samora Machel pretendeu significar foi que a língua portuguesa tinha deixado de ser língua de ocupação para passar a ser uma língua de liberdade, de independência e de partilha. Ou como diria Miguel Torga: "um traço de união".

Estranha contradição e, ao mesmo tempo, soberbo privilégio de uma língua que tendo sido a do sistema colonial, foi também a língua em que os povos começaram a pensar e procurar poética e politicamente as suas raízes e a sua identidade. Nos poemas, nas revistas, nos textos fundadores, mais tarde na luta de libertação e finalmente na proclamação da independência.

Língua de luta e poesia. Angola independente já estava nos poemas e nos textos em que Agostinho Neto, Viriato da Cruz e Mário de Andrade afirmaram a sua angolanidade e proclamaram: "Vamos redescobrir Angola, vamos a ser nós mesmos". E o mesmo aconteceu em Moçambique com os poemas de Craveirinha, Marcelino dos Santos, Jorge Rebelo e as palavras inspiradas e proféticas de Samora Machel. E também em S. Tomé e Príncipe, com os poemas de Alda Espírito Santo. E na Guiné e Cabo Verde com a escrita e a palavra de Amílcar Cabral. E depois em Timor com os poemas e as armas de Xanana Gusmão. As armas e a poesia andaram juntas. Na mesma língua.

Já no século XIX Almeida Garrett tinha escrito um ode que saudava a independência do Brasil, sublinhando que ela acrescentava a "lusa liberdade". E Portugal existiu sempre naquela "lusitana antiga liberdade" de que falava Camões e que os seus poetas sempre cantaram mesmo quando o povo português era também um povo oprimido.

Língua de múltiplas resistências. Língua de ocupação colonial mas também de libertação nacional. Língua de ditadura sobre o povo português mas também de liberdade resgatada a 25 de Abril de 1974.

Língua de fraternidade entre os combatentes de um e outro lado. E entre resistentes que se encontraram nas mesmas prisões e nos mesmos exílios. Língua dos nossos encontros, desencontros e reencontros. E hoje, sobretudo, língua de amizade, de construção e de futuro.

Esta é a língua que o Prémio Leya pretende divulgar e celebrar.

Como Presidente do Júri, e também como escritor português, é para mim uma honra e um motivo de alegria estar aqui a participar nesta celebração simbólica com o Presidente Armando Guebuza, também ele um confrade da escrita e com o Primeiro Ministro José Sócrates, com quem às vezes converso sobre o papel da língua portuguesa e a necessidade de a trazermos para a linha da frente da acção política na cena internacional.

Porque esta é uma arma que nós temos: a língua como instrumento de cultura, de partilha e desenvolvimento. E como factor de unidade e afirmação internacional da Comunidade dos Povos de Língua Portuguesa. Temos uma das línguas mais faladas do mundo. É uma grande riqueza para quem não é rico. E se as relações económicas têm cada vez mais um papel essencial, não esquecemos que a língua e a cultura é que fazem a alma de uma nação.

O Prémio Leya de 2009 foi atribuído ao escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho pelo seu romance "O Olho de Hertzog", um livro surpreendente que vem enriquecer a literatura de língua portuguesa. Pela originalidade da narrativa, que nos restitui, com grande mestria, esta velha cidade e um contexto histórico em que se conjugam os combates das tropas alemãs contra as tropas portuguesas e inglesas na Primeira Guerra Mundial, o confronto entre africânderes e ingleses, a emigração moçambicana para a África do Sul, as primeiras greves dos trabalhadores africanos, a riquíssima personagem do jornalista João Albasini, pioneiro do nacionalismo moçambicano, e a busca do Olho de Hertzog, que é uma metáfora da demanda do destino individual e colectivo.

Em nome do júri, quero felicitar João Paulo Borges Coelho e agradecer-lhe a qualidade da sua escrita e a beleza de um romance que nos inquieta, nos reconforta e nos faz acompanhá-lo na procura do mistério do ser que é, ao fim e ao cabo, o próprio mistério de "O Olho de Hertzog".

Manuel Alegre
Maputo, 4 de Março de 2009


publicado por felismundo às 01:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 4 de Março de 2010

MAIS UM PRÉMIO LITERÁRIO E AS SUAS IMPLICAÇÕES

Gostaria de abordar este assunto, só pelo prémio em si e não pelo envolvimento que tal gerou.

Refiro-me ao,"PRÉMIO LEYA - 2009"

Como a notícia informa, o prémio foi ganho por João Paulo Borges Coelho, natural do Porto, mas que, desde muito novo, escolheu Moçambique para viver, sendo Professor da Universidade Eduardo Mondlane.

Nada mais que uma notícia de índole cultural o que muito me agradaria se, não houvesse outros protagonistas.

Um, com toda a justificação pois como Presidente do Juri que atribuíu o prémio, teria todo o direito para lá se deslocar e fazer a entrega do galardão, refiro-me a Manuel Alegre.

Outro, José Sócrates, que, aproveitando-se da sua posição, dominante, convida Manuel Alegre a integrar a sua comitiva, numa visita de estado a Moçambique, faz declarações frizando que a participação de Manuel Alegre, na comitiva,nada tem a ver com a sua intenção de entrar na corrida eleitoral para a Presidência da República, mas sim para fazer a entrega de um prémio, do qual era Presidente do Juri.

Lendo a notícia, verifica-se que quem vai fazer a entrega do prémio é o Primeiro Ministro de Portugal, perante isto, como ficamos?

Não será isto passível de "outras" interpretações?

 

 

 

sinto-me:

publicado por felismundo às 15:26
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

CESTAS DE POESIA

Já passaram as eleições.

 

Livres, dizem os políticos, se bem que, para mim, que nasci, cresci e me fiz homem, num outro tempo, a "liberdade" de que estes falam, não é a mesma pela qual eu sonhei e lutei!

 Daí que me tenha recordado do Manuel Alegre desse tempo, combativo e actuante,  e por isso este poema de hoje, para que, os que o lerem, se não esqueçam do que foi o nosso passado recente.

 

 

S (ésse) - 18 de Janeiro de 1974

 

Direi de meu tempo que havia um S

havia uma sombra e um silêncio

havia um S de sigla e de suspeita

com suas seitas e seus sicários.

 

Não sei se signo não sei se sina

não sei se simplesmente sujo.

Ou só servil. Ou só sevícia.

 

Havia um S de Saturno

havia um susto

havia um S de soturno

sobre um S de sol.

 

De meu tempo direi

que havia um S

de sepulcro.

 

Sentinela. Sentinelas.

 

Ou talvez selva. Talvez serpente.

S de sebo e de sebeta: seco seco.

 

E também senão. E também senil.

 

Direi de meu tempo

que havia um S

sem sentido.

 

E também Setembro. E também solstício.

Saga e safra.

Ou talvez semente. Ou talvez segredo.

 

Havia um S de sal e sílex

havia um silvo

Havia um sílaba ciciada.

 

E também o sonho: entre suar e ser.

(Como um soluço como um soluço.)

 

De meu tempo direi

que havia um S

de sol e som.

Havia Setembro e um assobio

Contra um S de sombra e de silêncio.

 

 Manuel Alegre


publicado por felismundo às 09:26
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

CESTAS DE POESIA

 Aproximam-se eleições.

Livres, dizem os políticos, se bem que, para mim, que nasci cresci e me fiz homem, num outro tempo, a "liberdade" de que estes falam, não é a mesma pela qual eu sonhei e lutei

 Daí que me tenha recordado do Manuel Alegre, combativo e actuante, desse tempo e, por isso este poema de hoje, para que, aqueles que o lerem, se não esqueçam do que foi o nosso passado recente.

 

 

S (ésse) - 18 de Janeiro de 1974

 

Direi de meu tempo que havia um S

havia uma sombra e um silêncio

havia um S de sigla e de suspeita

com suas seitas e seus sicários.

 

Não sei se signo não sei se sina

não sei se simplesmente sujo.

Ou só servil. Ou só sevícia.

 

Havia um S de Saturno

havia um susto

havia um S de soturno

sobre um S de sol.

 

De meu tempo direi

que havia um S

de sepulcro.

 

Sentinela. Sentinelas.

 

Ou talvez selva. Talvez serpente.

S de sebo e de sebeta: seco seco.

 

E também senão. E também senil.

 

Direi de meu tempo

que havia um S

sem sentido.

 

E também Setembro. E também solstício.

Saga e safra.

Ou talvez semente. Ou talvez segredo.

 

Havia um S de sal e sílex

havia um silvo

Havia um sílaba ciciada.

 

E também o sonho: entre suar e ser.

(Como um soluço como um soluço.)

 

De meu tempo direi

que havia um S

de sol e som.

Havia Setembro e um assobio

Contra um S de sombra e de silêncio.

 

 Manuel Alegre


publicado por felismundo às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. HOJE, DEU-ME PARA ISTO!!!

. DE NOVO O PRÉMIO LEYA

. MAIS UM PRÉMIO LITERÁRIO ...

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

.arquivos

. Outubro 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Meu caro Armando Facadinhas, só hoje dei pelo teu ...
Meu caro Armando, é com todo o gosto que te vejo p...
boa tarde é armando facadinhas câmara municipal d...
Salvé o retorno à blogosfera. As nossas ausências ...
Tens toda a razão, o esquecimento é uma coisa cont...
Boa recordação.É uma pena estes nomes irem caindo ...
Parecendo que não, duplicou o drama!!!
Oportuno, realmente.Ainda era o marido a trabalhar...
Olá.Um belo poema de António Ramos Rosa.A 1ª vez q...
Na verdade o abandono dos blogs também me tocam......

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds