Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

CESTAS DE POESIA

A desenfreada caminhada para o abismo, levou-me a procurar o Nuno Júdice e fazer "copy paste", deste texto e desta foto.

 

Luta de classes: O quarto poder

 

Na primeira hipótese, há uma causa
que obriga a multidão a avançar pela rua,
sabendo o que tem pela frente. As suas vozes
esperam que alguém as acorde com uma fórmula
que dê sentido ao seu movimento; mas
nem isso é preciso, quando olhamos o conjunto
e encontramos uma lógica que
determina cada passo.
Na segunda hipótese, a expressão do rosto
transporta uma decisão que ultrapassa o objectivo
do grupo. Poderia falar-se de uma metafísica
colectiva, e recorrer à dialéctica do Hegel para
descobrir esta violência serena que antecede
o grande combate que o filósofo descreveu como
simples antítese. A abstracção do raciocíonio
liberta-nos da realidade.
O que não vemos é o que está à sua
frente, e nunca tem rosto. A devastação
do mundo é, no fundo das coisas, a terceira
hipótese, mesmo quando uma planta ainda nasce
no terreiro vazio, depois da batalha.

publicado por felismundo às 13:36
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Março de 2010

CESTAS DE POESIA

Uma cesta pequenina, cheia de Fernando Pessoa.

 

 

Não me importo com as rimas

Não me importo com as rimas. Raras vezes
Há duas árvores iguais, uma ao lado da outra.
Penso e escrevo como as flores têm cor
Mas com menos perfeição no meu modo de exprimir-me
Porque me falta a simplicidade divina
De ser todo só o meu exterior.

Olho e comovo-me,
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado,
E a minha poesia é natural como o levantar-se o vento...

Alberto Caeiro


publicado por felismundo às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

CESTAS DE POESIA

Joaquim Namorado

Photobucket

“Metam O burro na gaiola
de doiradas grades
e tratem-no a alpista
se quiserem
- é só um despropósito
Mas esperar dele o trinar
Do canário melodioso
É simplesmente tolo.”


Joaquim Namorado viveu entre 1914 e 1986. Nasceu em Alter do Chão, Alentejo, em 30 de Junho.
Licenciou-se em Ciências Matemáticas pela Universidade de Coimbra, dedicando-se ao ensino. Exerceu durante dezenas de anos o professorado no ensino particular, já que o ensino oficial, durante o fascismo, lhe esteve vedado.
Depois do 25 de Abril, ingressou no quadro de professores da secção de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.
Notabilizou-se como poeta neo-realista, tendo colaborado nas revistas Seara Nova, Sol Nascente, Vértice, etc. Obras poéticas: Aviso à Navegação (1941), Incomodidade (1945), A Poesia Necessária (1966). Ensaio: Uma Poética da Cultura (1994).)
Dizem que foi o Joaquim Namorado quem, para iludir a PIDE e a Censura, camuflou de “neo-realismo” o tão falado “realismo socialista” apregoado pelo Jdanov...
Entre muitas outras actividades relevantes , foi redactor e director da Revista de cultura e arte Vértice, onde ficou célebre o episódio da publicação de pensamentos do Karl Marx, mas assinados com o pseudónimo Carlos Marques. Um dia, apareceu na redacção um agente da PIDE a intimidar: “ó Senhor Doutor Joaquim Namorado, avise o Carlos Marques para ter cuidadinho, que nós já estamos de olho nele”...
No concelho da Figueira – considerava-se um figueirense de coração e de acção – chegou a ser membro da Assembleia Municipal, eleito pela APU.
Teve uma modesta residência na vertente sul da Serra da Boa Viagem. Essa casa, aliás, serviu de local para reuniões preparatórias da fundação do jornal Barca Nova.
Muito mais poderia ser dito para recordar Joaquim Namorado, um Cidadão que teve uma vida integra, de sacrifício e de luta, sempre dedicada á total defesa dos interesses do Povo.
Nos dias 28 e 29 de Janeiro de 1983, por iniciativa do jornal Barca Nova, a Figueira prestou-lhe uma significativa Homenagem, que constituiu um acontecimento nacional de relevante envergadura, onde participaram vultos eminentes da cultura e da democracia portuguesa.
Na sequência dessa homenagem, a Câmara Municipal da Figueira, durante anos, teve um prémio literário, que alcançou grande prestígio a nível nacional.
Santana Lopes, quando passou pela Figueira, como Presidente de Câmara, decidiu acabar com o “Prémio do Conto Joaquim Namorado”.

 

NOTA:

Aos eleitores de Lisboa, chamo a vossa especial atenção para o último parágrafo da nota biográfica do autor.

Nela está contida toda a vontade e acção que um dito candidato à autarquia lisboeta tem para com a CULTURA.


publicado por felismundo às 10:41
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

CESTAS DE POESIA

Por coerência com o escrito que, ontem aqui deixei, vou dar-vos a conhecer um TEXTO POÉTICO do Zeca Medeiros, exactamente o que dá nome a um dos seus CDs.

CINÉFILIAS E OUTRAS INCERTEZAS

 

fotograma verdade, fotograma mentira

talvez eu tenha sido um dos deserdados

das vinhas da ira

talvez teu amante em Hiroshima

ou marinheiro do couraçado potenkine

quem sabe

ou apenas escravo inútil de deuses de plástico

de heróis de cartolina

ó gelsomina

ó gelsomina (buon giorno maestro!...)

por ti vou cavalgar a vertingem

dos 7 samurais

o sortilégio é possível

mesmo se há lôdo no cais

 

agora através da janela indiscreta

cai um denso nevoeiro sobre o aeroporto da Casablanca

cravei um cigarro ao Bogey

a Ingrid Bergman nem deu por mim, que pena...

(play it again, Sam)

olho à volta deste mágico terreiro de ilusões

apenas vejo a sede que existe

no olhar triste dos vilões

(não sei porquê... coisas da fita)

ah! la dolce vita

buon giorno maestro!...

 

mudança de filtro: noite americana

rebeldes em causa em fugas sem rumo

cavaleiros do asfalto em busca de um deus possível

um sax na noite

talvez seja o De Niro na luz breve

dum qualquer candeeiro

o olhar perdido

de toiro enraivecido

e a noite a desvendar

os helicópteros do apocalipse

as valquirias do medo

nesta sala escura, meu segredo

 

oh dama de Xangai deixa-me embarcar

no teu veleiro

no teu canto traiçoeiro

comédia de enganos, lanterna mágica, jogo

d'espelhos

eu quero percorrer esse tempo de luz e de sombra

imaginário mundo

com o coração a bater a 24 imagens por segundo

 

José Medeiros


publicado por felismundo às 10:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

CESTAS DE POESIA

 Pablo Neruda

Me Gusta Cuando Callas...

 

 


publicado por felismundo às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 5 de Junho de 2009

CESTAS DE POESIA

Desta feita, as CESTAS DE POESIA, serão dedicadas a uma "Senhora", que tive a honra e o o prazer de conhecer e de trabalhar.

 

Glória de Sant'Anna



Por M.Margarida Pereira-Müller

A.A. Nº 244/1967
   

"O portal da Internet sobre Glória de Sant'Anna começa com uma pergunta: "Já alguma vez arrancou uma planta útil da terra? Não o faça. Eu sei o que sente uma planta arrancada sem culpa do seu chão". (do Livro Amaranto). Que mulher é esta que sente com as plantas?

" Eu naveguei pelo interior de um longo rio humano

de tempos diversos onde também há sangue vegetal,

buscando o que acabei por encontrar - a imensa

angústia que se reparte.

Sobre isso escrevo.

Mas cuidado: a música da palavra é um casulo de

seda. Só dobando-o com olhos atentos se chega à

verdade - a solidão ansiosa e disponível.

No entanto, que cada um faça a sua leitura."

É este o texto que está na capa do "Amaranto" e depois repetido, por sugestão da editora moçambicana Ndjira, na capa do "Solamplo". Glória de Sant'Anna não se considera uma mulher "extremamente triste e melancólica", mas sim, atenta às angústias do mundo. O que não exclui momentos de alegria e felicidade.

Após o curso Complementar de Letras no colégio, para onde entrou com dez anos e onde colheu "conhecimento intelectual, disciplina, camaradagem e também sentido de honra", ou seja, como ela própria diz, "o prolongamento do que tinha em casa", fez "Pedagógicas e outros exames que me deram acesso ao ensino secundário" com o intuito de seguir a carreira docente. Glória sente-se professora por vocação. "Eu fui professora do secundário - letras - português - inglês e história, durante vários anos. O contacto diário com aqueles jovens, era um forte elo de conhecimento mútuo e de partilha".

Casou em 1949 e, dois anos depois, partiu para Moçambique, para em Nampula. Em 1953 mudou-se para Porto Amélia (hoje Pemba), onde permaneceu, frente à vasta baía, até 1972. Passou os dois últimos anos em Moçambique em Vila Pery (hoje Chimoio). Para muitos críticos literários, entre eles Carmen Lúcia Tindó Ribeiro Secco, este foi o seu primeiro exílio. Glória não vê esta partida porém como exílio. "Ir para Moçambique não foi um exílio no sentido de punição. Foi a busca de novos lugares para iniciar o lado profissional e de realização de ambos - de meu marido e meu".
   

Viver em Moçambique deu-lhe tudo o que a vida poderia oferecer: "seis filhos. E todos eles eram conscientes dos momentos que se atravessavam lá. A intensidade dos factos, as justiças e injustiças. A amizade plena", diz-nos Glória. Sentiu que tinha uma missão - "Nós éramos dos que estavam ali para viver, e transmitir o que sabíamos de útil".

Se bem que tenha começado a escrever logo em pequena, foi em Moçambique que publicou as suas primeira obras, a começar com "Distância" em 1951. E são as gentes e as paisagens moçambicanas que a inspiram. "A minha "musa inspiradora" ( e não sei porquê lembrei-me dos estudos da literatura dos clássicos ), eram as gentes em que eu estava inserida como povo. O mar...bem. O Atlântico é aquela base de sustentação das raízes lusitanas - navegações e força dos descobrimentos. O Índico, é aquela base de navigabilidade pelo sonho e pela descoberta. Pela certeza - e volto a repetir - de ser útil numa amplitude maior."

Senão vejamos:

"Negrinha faceira,

dentro da água cálida,

quem olhará

tua graça?

Ou quem verá teu riso

esparso

entre uma onda translúcida

e um sargaço?

(...)

Os teus pés estão sobre os búzios claros

e vazios,

e há música e sol

em teus ouvidos.

Mas quem passa, deixando pegadas na areia,

não olha para ti, negrinha faceira.

( Amaranto, 1988, p.62 )

Paralelamente à escrita e à docência, Glória de Sant'Anna colaborou com diversos jornais (Diário Popular, Guardian (Lourenço Marques), Itinerário (Lourenço Marques) Diário de Moçambique (Beira), Notícias (Lourenço Marques), Tribuna (Lourenço Marques), Sul (Brasil), Caliban (Lourenço Marques) e Colóquio Letras da Gulbenkian) e com a rádio durante muitos anos - "Esse era "o meu largo espaço" e outro meio de transmissão de conhecimentos por vezes com muito peso de carácter social".
   

Em 1961, e apesar de ser considerada uma escritora moçambicana, ganhou o Prémio para o "Livro de Água", o que lhe deu um certo contentamento - "Ser considerada o melhor poeta do ano, que era o que este prémio contemplava, é agradável. Mas não me deixou adormecer sobre os "louros da glória", passe o trocadilho. A intenção da atribuição desse prémio (ainda que o livro possa valer literariamente) era muito mais a de criar liames com as colónias, do que outra coisa."

1961 foi também o ano do início da guerra colonial. Uma guerra é sempre uma situação difícil, especialmente para as pessoas de grande sensibilidade - "As guerras só trazem mortos estropiados e mágoas". Escreve Carmen Secco: "Afirmando-se por um ethos existencial e humano, a poética de Glória, com imensa sensibilidade e delicadeza de sentimentos, também critica os preconceitos raciais presentes em Moçambique; só que o faz de forma suave, velada e subtil".

No poema Sexto do livro Cancioneiro Incompleto ( temas da guerra em Moçambique , 1961 - 1971), Glória condena a violência que destruiu os macondes, cujas esculturas celebra :

"(...)

( cada figura crescia de suas mãos negras

como se brotasse da sua própria fina pele

solta para a claridade e portadora

de igual agreste impulso

e em seu rosto

e em suas pupilas alagadas

era o mesmo secreto tempo de amar )

Hoje o pesado e oculto pau preto

jaz dentro da ausência

pleno de irreconhecíveis figuras

que perpassam iguais às da nossa memória(...)

(Amaranto, 1988, p. 97 )

À guerra colonial, seguiu-se a independência que, para Glória "foi a consequência que tinha que ser e com a qual aliás concordo. Só que os processos usados não foram certos". À independência segue-se o regresso à metrópole - esse, sim, um verdadeira exílio, "uma punição por ter voltado de lá e ter ficado simplesmente por razões de família que não tinham nada a ver com o tempo político que se atravessava. Aí, senti-me a tal planta útil arrancada do seu chão. Aquele chão onde ficaram enterradas as minhas placentas".

Glória tentou encontrar o rumo à sua vida. Durante quatro anos nada escreve. "Em Portugal, de Norte para Sul e do Sul para Norte, entre Ovar e o Algarve, tentando reencontrar o rumo que não havia (o mar, que é bom "porque é concreto", ficara para trás), Glória de Sant'Anna foi sobrevivendo ao rés de um desespero nem sempre inteiramente dominado" - é assim que Eugénio Lisboa descreve esse período da vida de Glória.
   

Mas com a fixação da residência perto de Ovar (perto do mar...), Glória parece reencontrar a paz de espírito e, com ela, volta a vontade de escrever. A escrita faz parte do seu dia a dia. Mesmo actualmente, como aposentada, e repartindo o tempo pela casa e pela família, continua a escrever. É que "escrever é como respirar".

Caixa

A obra publicada de Glória de Sant'Anna

· Distância (1951)

· Música Ausente (1954)

· Livro de Água (1961)

· Poemas do Tempo Agreste (1964)

· Um Denso Azul Silêncio (1965)

· Desde que o Mundo (1972)

· Do Tempo Inútil (1975)

· Amaranto (1988) (que inclui 4 livros inéditos: A Escuna Angra (1966-68); Cancioneiro Incompleto (temas de guerra em Moçambique, 1961-71); Gritoacanto (1970-74 e cantares de Interpretação (1968-73)

· Não Eram Aves Marinhas (1988)

· Zum-Zum (1996)

· Solamplo (2000)

· O pelicano velho (2003)

· Ao Ritmo da Memória (2003)

Algumas referências à obra de Glória de Sant'Anna:

1. Lisboa, Eugénio; Glória de Sant'Anna: How purity can also be commitment, Santa Barbara Portuguese Studies, 1994; 4: 207-219.

2. Vieira, Vergílio Alberto; Glória de Sant'Ana, Letras & Letras (Porto), 1990 Dec. 5; 4 (36): 9.

3. Ferreira, Manuel; ... Porque Infinita E a Bondade Divina!, Jornal de Letras, Artes & Ideias (Lisbon), 1990 July 24-30; 10 (420): 13.

4. Lisboa, Eugénio; Glória de Sant'Anna: O Silêncio Intimo das Coisas, Prelo: Rev. da Imprensa Nacional (Lisbon), 1984 Oct.-Dec.; 5: 93-100.

Há também estudos feitos à obra de Glória de Sant'Anna por :

João Gaspar Simões (Lisboa)

Fernanda e Matteo Angius (França)

Fernando Ferreira de Luanda (Brasil)

Maria Lúcia Lepecki (Universidade de Lisboa)

Michel Laban (Universidade Sorbonne)

Revista Brotéria (Lisboa)

José Lois Garcia (Barcelona)

Marie Claire Vremont (Bruxelas)

Almerindo Lobo (Moçambique)

René Pélissier (França)".

 


 

 

Nota: - Glória de Sant'Anna, foi a primeira directora do Emissor Regional de Vila Pery, actual Chimoio, em Moçambique. Trabalhamos, juntos, desdo o primeiro dia. Quando abandonou o lugar, fui o seu substituto.

Sei que, agora nos deixou.

Havemos de voltar a fazer "Rádio", um dia!!!

Ha


publicado por felismundo às 11:34
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 15 de Maio de 2009

CESTAS DE POESIA

 

AINDA E SEMPRE, JOSÉ AFONSO!

 

Resolvi inserir este vídeo, nesta rúbrica, por uma simples razão: "Se isto não é poesia, o que é poesia?


publicado por felismundo às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

CESTAS DE POESIA

 

José Régio

 

 

Cântico Negro

 

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

José Régio, in 'Poemas de Deus e do Diabo'


publicado por felismundo às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

CESTAS DE POESIA

 Não podia ser outro, por isso, para comemorar Maio a poesia de José Afonso, cantada e tocada pelos Madredeus.

 

 

 

música: Maio Maduro Maio, Madredeus

publicado por felismundo às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

CESTAS DE POESIA

Hoje temos poesia dos AÇORES!

 

 

 


publicado por felismundo às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

. CESTAS DE POESIA

.arquivos

. Outubro 2013

. Junho 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.tags

. todas as tags

.últ. comentários

Meu caro Armando Facadinhas, só hoje dei pelo teu ...
Meu caro Armando, é com todo o gosto que te vejo p...
boa tarde é armando facadinhas câmara municipal d...
Salvé o retorno à blogosfera. As nossas ausências ...
Tens toda a razão, o esquecimento é uma coisa cont...
Boa recordação.É uma pena estes nomes irem caindo ...
Parecendo que não, duplicou o drama!!!
Oportuno, realmente.Ainda era o marido a trabalhar...
Olá.Um belo poema de António Ramos Rosa.A 1ª vez q...
Na verdade o abandono dos blogs também me tocam......

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds